segunda-feira, novembro 15, 2010

Medos

Eu estava pensando... quando éramos pequenos tínhamos medos de coisas que não existiam, tínhamos medo de coisas que não eram assustadoras e até mesmo tínhamos medo de alguém, alguém conhecido. Por isso, talvez, nós todos precisássemos (?) de um bichinho de pelúcia. Era como um refúgio, como um esconderijo secreto. Junto do seu bichinho era como se fôssemos imortais, ou imunes a qualquer força negativa. Eu lembro de que, quando pequena, não andava de forma alguma pela casa durante a noite. Se eu o fizesse, me dava uma sensação desesperadora de que alguém estava a me seguir. Olhando para todos os lados, não havia ninguém. Mas... infelizmente, isso não bastava, a sensação ainda me perseguia. Se tivesse com sede, e tivesse que ir até a cozinha, eu ia correndo e voltava correndo, e ao chegar no quarto, ofegante, abraçava meu bichinho de pelúcia, como se ali, estivesse a salvo. Alguns, até hoje, recorrem a um refúgio. Provavelmente não um bichinho de pelúcia, mas uma luz acesa na hora de dormir, ... Todos temos medo de algo, e conforme a idade, esse medo vai mudando. Quando vc tem 3 anos, vc tem medo do vilão de 'lazytown', com 6, vc tem medo fantasmas, de sombras, da solidão ou do escuro. Aos 9, o medo já mais desenvolvido, tem haver com situações reais. Pode ser de coisas realmente assustadoras como... não sei, assassinos. Ou então de um simples ladrão. E, aos 12, acho que o medo é de coisas mais mortíferos, mais mórbidas. Não tenho certeza do que tenho medo. Ainda tenho que descobrir. Eu sei que hoje em dia, a noite, quando abro a porta da cozinha, sempre lembro do medo que tinha. Lembro do quão afobada eu ficava, pois não queria ficar muito tempo naquele lugar, simplesmente por causa de uma impressão estranha e irreal. Agora, ao abrir a porta calmamente e silenciosamente para que minha mãe não acorde, vou com calma, e as vezes até rio do quanto eu era boba, mas quer saber, até que não era tão besta assim, pelo menos não parecia, na época... Agora eu sei que mesmo não me apegando à um bichinho de pelúcia, sempre terei algo a me apegar, e nunca me envergonharei disso, porque, afinal, todos tememos algo.

2 comentários:

  1. Oi,
    Lendo este "post" lembrei do Fofucho. Você sabe onde êle está? Queria vê-lo novamente, posso guardá-lo lá em casa se você quiser. Eu gostaria.
    Bjs
    Lati

    ResponderExcluir
  2. É, eu também queria vê-lo, mas pelo visto, está sumido em algum lugar. Provavelmente em um daqueles sacos de brinquedos antigos que tem na casa da minha vó, depois eu verifico. Beijos.

    ResponderExcluir