domingo, janeiro 09, 2011

Felicidade Repentina

É incrível como a população é cética, e desiludida. E o mais surpreendente é que eu também era assim! Num segundo eu era como todas as outras pessoas existentes nesse mundo: alguém procurando por felicidade. Mas, no outro, eu a havia encontrado. Essa é uma das coisas para qual ninguém te prepara. O sentimento, a sensação, é tudo tão novo e cheira tão bem! Tem gosto de novidade, de alegria. É  como se eu dependesse completamente de outra pessoa para ser feliz, e tal encarregado fosse extremamente competente, pois ele estava conseguindo. Talvez você tenha razão. Pode ser, e provavelmente é loucura me entregar completamente a alguém que mal confio. Mas, ao contrário de mim, você não entende. Faz tempo que você não se sente assim, e possivelmente se esqueceu de como é. O caso é que, por mais que eu não conheça esse sujeito maravilhoso ao qual entreguei minha felicidade, sei que ele cuidará bem dela. Como eu sei? Isso é fácil, estava escrito em seus olhos, da primeira vez que o vi. Estava nitidamente visível nas estrelas, naquela noite em que fomos juntos ao parque, desfrutar da beleza reluzente que elas possuem. E de primeira, eu soube claramente que era você, aquele que me faria a garota mais feliz. E assim está sendo, e eu tenho esperanças de que isso dure para sempre, porém, não é hora de ser realista. Estou no mundo da fantasia. No meu mundo da fantasia. A realidade aqui, não é bem-vinda! O nome dessa felicidade repentina para a qual ninguém nos prepara é chamada de amor. Um sentimento que é meio-termo. Ele machuca, mas também é remédio. Ele dói, e ameniza a dor. Ele te faz rir, mas também chorar. E o amor é assim, uma montanha-russa que vale a pena repetir, mas que, para dar certo, é necessário tirar um intervalo entre uma ida e outra.

3 comentários:

  1. filosofou, hein?! Bem legal, e com certeza seu sonho se realizará, se vc procurar bem alguem especial! bjss
    Cavalinho

    ResponderExcluir