quarta-feira, fevereiro 02, 2011

Destiny









Por muitas vezes entramos em uma profunda depressão, ao sentir na pele o que é dor. Uma das poucas coisas que me mantêm “forte”, é crer no destino. É crer que para tudo existe uma razão. E eu continuo crendo persuasivamente, pois se eu deixar de crer, passo a não entender, e então a paz não poderá reinar novamente dentro de mim. Mas, curiosamente, eu tenho medo da paz. Isso porque quando ela prevalece em meu ser, fico temendo que ela acabe, que tudo fique confuso, e que uma hora tal serenidade parta. Esse sentimento é agonizante, e o pior é que ele é irreversível. Inexplicavelmente, o destino pode ser muito cruel. Ele pode voltar todos contra nós, destruir relações, magoar inocentes e, por fim, nos deixar largados, num canto sombrio, úmido e solitário. Mas ainda sim eu confio no destino, pois ele sempre nos leva a algo, e se eu vier a temê-lo, jamais chegarei a lugar algum. Pode me chamar de ingênua por confiar, mas eu prefiro confiar em alguns e me decepcionar às vezes do que não confiar em ninguém e não ter a oportunidade de interagir, e aprender com meus erros. Sim, eu tenho medo de que tal confiança me magoe, seqüestre a minha esperança e a esconda em algum lugar inexplorado, onde eu não possa achar, mas o destino vai me levar a algum lugar, e no final, vou estar lá, sentada num jardim repleto de margaridas, com um cavalo branco vindo em minha direção, e nele estará montado um lindo rapaz que se importa comigo. E quando esse dia chegar, tudo que passei terá, enfim, uma utilidade.
Moral: “Aguenta só mais um pouquinho; Lá na frente esse pouquinho vai fazer toda a diferença.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário