sexta-feira, março 11, 2011

Um Lado Infantil que Não Cresce

Admito, para certas coisas, sou precoce. Mas, parando um segundo para minha reflexão diária, percebi que não sou precoce para uma infinidade de coisas. Muito pelo contrário, em muitos aspectos sou até mesmo atrasada. Mas se você pensa que isso é ruim, está muito enganado. Eu me orgulho muito disso. Adoro esse meu lado infantil que não cresce. Adoro os meus momentos retardados, meus ataques de criança, minha fascinação por coisas infantis. Amo isso em mim, pois sinto que é isso que me guia, quando não sei para onde ir. É como se uma antiga eu, alguém que está longe, um eu que ficou no passado, é como se esse eu estivesse me dizendo quem eu realmente sou, e para onde eu devo seguir. A alguns dias atrás me olhei rapidamente no espelho, antes de sair de casa. Foi,... Estranho. Não sei explicar. Me olho todos os dias no espelho, mas somente ontem, ao ver meu reflexo, senti um impacto. Me olhei rapidamente e virei, mas então, ao sentir a mudança, tornei a me olhar no espelho. Nada. Então, observei melhor a minha imagem, e demorei um pouco para achar aquele eu interior do qual todos falam tanto. Foi quando percebi o quão longe a situação chegou. Senti que as coisas estavam andando rápido demais, e a partir daí diminuí o ritmo. Por isso, agraço ao meu lado infantil que não cresce, pois é ele que me ajuda, até hoje, nos momentos mais difíceis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário